Chuva de “nãos” em negociação com a Caixa

São Paulo – “Uma chuva de nãos”. Assim, o diretor executivo do Sindicato e coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE), Dionísio Reis, definiu a terceira rodada de negociações entre representantes dos empregados e da direção da Caixa. Mesmo de posse dasreivindicações desde o dia 9 de agosto, o banco não apresentou proposta palpável.

> Principaisreivindicações dos bancários

Caixa 100% pública –Uma das cobranças dos empregados é a manutenção do caráter público do banco. Na mesa, foi realizado um ato com a abertura de cartazes e uma fala do coordenador da CEE e diretor do Sindicato, Dionísio Reis, em defesa da Caixa 100% Pública. “Não aceitamos o fatiamento, com a venda de áreas como loterias, seguros e cartões. Algo ventilado na imprensa. O próprio presidente é contraditório. Por vezes confirma a intenção privatista, outras desmente”, destaca Dionísio Reis.

“Os representantes do banco dizem depender das políticas de governo. Se a intenção for o fatiamento, a abertura de capital, vão levar adiante. Portanto, é fundamental a mobilização dos empregados e da população na defesa da Caixa 100% pública. Não podemos aceitar que o banco seja submetido à lógica de mercado em detrimento do seu importante papel social e estratégico para o Brasil”, acrescenta.

> Occhi confirma intenção de privatizar a Caixa
> Occhi nega privatização, mas não convence 

Caixas – Outro ponto de destaque na negociação foi a volta da função de caixas. Apesar da direção do banco negar a extinção do cargo, o normativo RH184 prevê apenas a existência do “caixa minuto”.

“São colocados no caixa só quando a demanda é alta. Isso acarreta maior risco de erros, já que o trabalhador não possui prática e é pego no susto. E não vale a pena financeiramente: caso o bancário cometa um erro, pode perder muito mais que o valor da gratificação pelo tempo no caixa”, critica Dionísio.

Outro exemplo de problema no RH184 é a restrição ao acesso dos empregados à incorporação de função. “Em caso de descenso, antes o empregado não precisava procurar a Justiça para garantir incorporação proporcional. Agora, com o RH184, ele precisa recorrer ao judiciário. Assim, o banco intensifica a judicialização das relações de trabalho”, explica o coordenador da CEE.

Sobre a revogação da RH184, a Caixa não apresentou nenhuma proposta.

Descomissionamento – De acordo com Dionísio, uma conquista histórica dos bancários da Caixa é o processo seletivo interno. Porém, por outro lado, o banco sempre manteve em segredo a questão do descomissionamento.

“Mesmo o processo seletivo foi flexibilizado pela direção do banco, com denúncias de haver nomeações. Já o descomissionamento sempre ficou nas mãos do gestor, que aplica critérios subjetivos de forma arbitrária. Inclusive, é bom pontuar que ameaças de descomissionamento, configuram-se assédio moral”, diz o diretor do Sindicato.

Na mesa, a direção do banco admitiu arbitrariedades por parte de gestores no descomissionamento, mas declarou não ter intenção de abrir discussão com empregados sobre a questão.

Reestruturação – Outra prioridade dos trabalhadores é a discussão prévia e transparente de qualquer processo de reestruturação.

“Temos um processo de reestruturação suspenso, que nos normativos do banco oferece uma série de garantias aos trabalhadores. Mas, pelas beiradas, a direção da Caixa vai aplicando uma reestruturação disfarçada, dia após dia, com a remodelagem de áreas específicas, como aconteceu na Cehag. Neste caso, nem mesmo garantias previstas para reestruturações são asseguradas”, denuncia Dionísio.

Novamente, a direção da Caixa não se pronunciou.

“A direção da Caixa, além de não avançar em nenhum ponto, tem descumprido questões acordadas em anos anteriores como o Saúde Caixa, no qual não utiliza o superávit para melhoria do plano. Isso já se arrasta por dois anos. Cobramos a efetivação, já no âmbito da Campanha, da utilização do superávit e redução da coparticipação dos empregados. Outro exemplo é o grupo de representantes do banco e empregados que deveria debater a Funcef, mas não foi efetivado pela direção da Caixa até hoje”, critica o dirigente sindical.

“Esta postura intransigente e desrespeitosa está empurrando os bancários para a greve. Todos os empregados devem comparecer à assembleia de quinta-feira 1º. Em caso de ameaça ou perseguição, devem procurar o Sindicato. O momento agora é de construir uma grande mobilização em torno da Caixa 100% pública e por nenhum direito a menos, além das reivindicações gerais da categoria”, conclui Dionísio.

Denuncie – Em caso de perseguição ou ameaça, o bancário denunciar ao Sindicato por meio dos dirigentes, pelo 3188-5200 ou pelo Fale Conosco (clique aqui e escolha o setor “Site”). O sigilo é garantido.

Leia mais
> Proposta dos bancos é desrespeito e levará à greve 

Felipe Rousselet – 30/8/2016

Fonte: Sindicato dos Bancários de SP – http://www.spbancarios.com.br

Sobre Blog dos Bancários

Bancário
Esse post foi publicado em Noticias. Bookmark o link permanente.