Negociação sobre a Cassi começa com muitos debates e sem propostas do BB

  • 13 Maio 2015

Teve início nesta terça-feira dia 12, em Brasília, a mesa de negociação sobre Cassi entre entidades representativas do funcionalismo e o Banco do Brasil. A criação da mesa específica foi um reivindicação da Contraf-CUT, que coordenou os trabalhos, com a assessoria dos sindicatos, entidades associativas de funcionários da ativa e aposentados, como Anabb, Aafbbm, Federação dos Aposentados(Faabb), Afabb- SP e da Contec.

Segundo o diretor do Sindicato e representante da Federação Centro-Norte (Fetec-CUT/CN) na Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, Rafael Zanon, os trabalhadores seguem mobilizados, juntamente com o Sindicato, de forma a pressionar o banco a apresentar uma proposta que ponha fim aos problemas por que passa a Caixa de Assistência. “Esse processo de mobilização será intensificado”, avisa Zanon, chamando os bancários a participarem da Conferência de Saúde da Cassi-DF nesta quarta-feira (13), no Teatro dos Bancários.


Funcionários defendem solidariedade e assistência a todos

Na mesa de instalação das negociações o banco informou que inicialmente as discussões seriam com a governança da Cassi e que entende que as soluções para os problemas apresentados devem passar por uma mesa com as entidades e ampla representação do funcionalismo.

O banco apresentou um diagnóstico sobre a situação atual da Cassi, o déficit dos últimos quatros anos e, ainda, um quadro comparativo entre as despesas da Cassi com a média das outras entidades de autogestão.

O banco afirmou que os problemas de gestão apontados não se referem a um período específico e os representantes dos funcionários lembraram que os problemas de gestão são comuns entre indicados do banco e eleitos e alguns problemas são de longa data na Cassi, há muitos anos.

O banco reconhece que a atual diretoria tem tido coragem em atacar alguns problemas crônicos de gestão, mas que é necessário aprimorar mais ainda os processos, citando as questões envolvendo negociação com prestadores e regulação, algo que os eleitos também têm apontado nos boletins “Prestando contas Cassi”.

Alguns consensos foram apontados, como por exemplo, o de que é melhor investir na prevenção da saúde dos funcionários.

Nos debates também ficou acertado na continuidade dos trabalhos a presença dos dirigentes eleitos da Cassi, para auxiliar no debate.

Os representantes dos funcionários apontam que deve ser mantido o princípio da solidariedade e também a assistência aos funcionários ativos e aposentados pela Cassi. Neste ponto do debate, o banco afirma que o modelo de solidariedade deve ser aperfeiçoado, mas não apresentou nenhuma proposta específica sobre o tema.

O banco também fez uma apresentação sobre os valores da contribuição patronal e de funcionários à Cassi e seus impactos no balanço financeiro do banco.

Especificamente sobre o balanço, o banco informou que devido a Deliberação CVM 695/2012 que remete ao Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 33(R1) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de benefícios a empregados, o provisionamento no balanço do banco referente aos benefícios da Cassi aos empregados chega ao montante de 5,8 bilhões de reais.

O banco afirmou que não há interesse em retirar a assistência aos funcionários aposentados, mas que para conseguir uma alternativa para se chegar a um consenso, o debate deve passar por encontrar alternativas para o tratamento do pós-laboral.

A mesa de negociações terá continuidade na próxima semana, com reunião marcada para o dia 19 de maio, também em Brasília.

Da Redação, com informações da Contraf-CUT

Anúncios

Sobre Blog dos Bancários

Bancário
Esse post foi publicado em Noticias. Bookmark o link permanente.