“O Experimento Socialista”

Fonte: http://racionalismoselvagem.blogspot.com

Aquele famoso Experimento Socialista na sala de aula…

“O Experimento Socialista”

Circula aí pelas “internetes” um texto bem famosinho até (e antigo, lembro-me dele na época do igmail), sobre um suposto “experimento socialista” feito em sala de aula de alguma universidade norte-americana… Ok, já sabemos que o fato descrito não aconteceu de verdade, porém, a metáfora é válida e vamos fingir que tudo foi real. =)
Em discussões, a classe em questão insistia que o socialismo era o melhor sistema político. Então o professor, para mostrar que estavam errados, ‘instituiu’ o socialismo na sala de aula, com resultados digamos, surpreendentes…

Aqui vai o texto integral, como ele é passado:

* * *

Um professor de economia em uma universidade americana disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira.
Esta classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: com um governo assistencialista intermediando a riqueza ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.

O professor então disse, “Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas.” Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam ‘justas’. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que em teoria ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um “A”.

Após calculada a média da primeira prova todos receberam “B”. Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.

Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos – eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Como um resultado, a segunda média das provas foi “D”. Ninguém gostou.

Depois da terceira prova, a média geral foi um “F”. As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina… Para sua total surpresa.

O professor explicou: “o experimento socialista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande. Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros para dar aos que não batalharam por elas, então ninguém mais vai tentar ou querer fazer seu melhor. Tão simples quanto isso.”

1. Você não pode levar o mais pobre à prosperidade apenas tirando a prosperidade do mais rico;
2. Para cada um recebendo sem ter de trabalhar, há uma pessoa trabalhando sem receber;
3. O governo não consegue dar nada a ninguém sem que tenha tomado de outra pessoa;
4. Ao contrário do conhecimento, é impossível multiplicar a riqueza tentando dividi-la;
5. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.

* * *

A metáfora realmente é interessante e faz refletir. Se lembrarmos das aulas de história (principalmente quem nunca estudou em escolas públicas), perceberemos que em várias ocasiões rebatem o ideal socialista com argumentos anti-comunismo…
Mas vamos imaginar que algo parecido aconteceu em alguma universidade de algum país que adote o sistema socialista… Ou comunista…
Este outro texto é uma readaptação do primeiro, feito para rebater as ideias anteriores. Aqui vai ele integralmente:

* * *

Um professor de economia em uma universidade soviética disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou todos os bons alunos de uma sala, passando apenas os preguiçosos.

Esta classe em particular havia insistido que o capitalismo realmente funcionava: com um governo mínimo, garantindo a manutenção do status quo, ninguém teria mais do que o esforço que colocou ali, tudo seria meritocrático e justo.

O professor então disse, “Ok, vamos fazer um experimento capitalista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas.”

No início do ano, todos teriam a última nota que tiraram no ano passado. A medida que o ano passava, a nota seria multiplicada por um fator que dependia não só do desempenho do estudante, mas também da sua nota anterior. Quanto maior a nota anterior, maior o fator de multiplicação. Da mesma forma, quanto maior o esforço, maior o fator. Em ambos os casos, aqueles que estivessem acima da média, subiriam 10%, os que estivessem na média, se manteriam, e os que ficassem abaixo da média cairiam 10%. Assim, todos poderiam não só chegar a ter um A, como aqueles que foram bons alunos no passado não perderiam o esforço que acumularam até ali.

Após calculada a média da primeira prova, metade da turma teve sua nota aumentada e a outra metade diminuída, enquanto uns poucos se mantiveram na mesma.

Quando a segunda prova foi aplicada, os que vieram de escolas mais puxadas no ano anterior estudaram ainda mais – eles precisavam tirar notas boas para conseguir passar. Já aqueles que tinham estudado em escolas mais fáceis resolveram estudar somente o suficiente para ficar na média. Como resultado, a segunda prova manteve os mesmos alunos com A, e aqueles que se esforçaram mais e tiraram notas melhores na prova continuaram sem média suficiente para passar.

Depois da terceira prova, os alunos que tiveram piores notas no ano anterior estavam em estado de esgotamento, mesmo tirando nota máxima nas provas era bem difícil alcançar a média. Não houveram desavenças entre os alunos porque os sortudos, que vieram de escolas fáceis, nem mesmo iam às aulas. Perder 10% nessa prova significava quase nada para eles. Os alunos que pediam a revisão do modo de avaliação eram vistos como “preguiçosos”, já que “bastava que estudassem para passar”. No final das contas, todos os alunos que estudavam e compareciam nas aulas repetiram aquela disciplina… Para sua total surpresa.

O professor explicou: “o experimento capitalista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande. Mas quando o status quo elimina todas as recompensas de uns e elimina todo o esforço de outros, baseado em critérios arbitrários como a nota do ano anterior, então não adianta mais tentar ou querer fazer seu melhor, o destino já está decidido de antemão. Tão simples quanto isso.”

1. Você não pode levar o mais pobre à prosperidade apenas exigindo seu esforço, se os ricos 99% das vezes já nasceram ricos;

2. Para cada um recebendo sem ter de trabalhar, há milhares de pessoas trabalhando sem receber;

3. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação. Por sorte, os alunos de escolas mais difíceis estavam ocupados demais estudando para se darem conta disso.

* * *

Claro que esta experiência também nunca aconteceu… Mas e agora? Realmente algum destes sistemas é mais “beneficiador” à sociedade geral do que o outro?

Particularmente, vejo falhas graves nos dois… Aqui no Brasil, por exemplo, a política seria risória, se não fosse trágica…
Falando abertamente, embora este último texto seja mais “bonito” e atrativo pelo seu idealismo, deixa de considerar uma premissa básica e real do ser humano: A LEI DO MENOR ESFORÇO! E essa acaba valendo para todos: pobres e ricos! O rico não quer trabalhar para o pobre porque este se acomoda; o pobre não quer trabalhar para o rico porque o rico se acomoda! O ser humano é foda complicado, brasileiro então, rsrs…
Fato é que onde o Comunismo existiu, faliu. Em Cuba por exemplo, ninguém cuida ou reforma as casas onde mora justamente porque não tem a propriedade do bem!
Nas nas grandes sociedades Capitalistas, como nos E.U.A. por exemplo, quem for pobre vai continuar pobre, e quem for rico vai ficar cada vez mais rico…

Já ouvi dizerem que a melhor opção seria dividir uma sociedade entre os dos regimes, esperar algumas décadas, e ver qual se saiu bem. PORRA Caramba… Será que alguém ainda lembra do Muro de Berlim?

Infelizmente, em se tratando de política, e observando no resto do mundo como ela vem funcionando em diversos sistemas, o cidadão comum sempre vai acabar sendo o palhaço da história… =/
De qualquer maneira, para ajudar a refletir sobre tudo isso, indico aqui uma animação fantástica da RSA (http://youtu.be/bIhHrL73d4s), que é uma adaptação de uma palestra de Daniel Pink (Pink? O.õ) sobre a surpreendente verdade sobre o que nos motiva… Fica a Dica! 😉

Até mais!

Anúncios

Sobre Blog dos Bancários

Bancário
Esse post foi publicado em Noticias. Bookmark o link permanente.